Postingan itu didapat dari pendeta bernama Juan Manuel Peramas. Ia sudah melaporkan kalau kaum agen sbobet terpercaya Guarani sudah main memakai bola yang mempunyai materi dasar karet, namun mempunyai berat yang lumayan enteng, alhasil hendak kilat kala ditendang.

Setelah itu bola hendak memantul dengan kilat saat sebelum dapat menyudahi. Guarani pula memainkan agen bola bola bukan memakai tangan mereka semacam yang mereka jalani, namun memakai kaki dalam mereka. Postingan ini merupakan fakta kalau Inggris tidak pencipta game sepakbola.

Semáforo nutricional traz mais complicações do que avanços para alimentação

Publicado em 18 de outubro de 2017

Nutricionista Ana Carolina Fernandes, do Nuppre – UFSC, avalia propostas de rotulagem nutricional
apresentada pelo Idec à Anvisa e critica modelo defendido pela indústria

Com o intuito de promover escolhas mais saudáveis, o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) apresentou à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) um novo modelo de rotulagem nutricional. A proposta, que conta com o apoio da Aliança, envolve alertas na parte frontal da embalagem, além de melhorias na tabela nutricional e na lista de ingredientes.

Para avaliar as mudanças sugeridas, conversamos com a nutricionista Ana Carolina Fernandes, professora da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e pesquisadora do Nuppre (Núcleo de Pesquisa de Nutrição em Produção de Refeições), que faz parte da Aliança.

Nesta entrevista, Fernandes fala da importância das mudanças propostas pelo Idec e faz críticas ao semáforo nutricional, modelo que vem sendo defendido pela indústria de alimentos. Em sua avaliação, o semáforo traz mais complicações do que avanços em relação à informação para o consumidor.

Ana Carolina Fernandes é mestre e doutora em nutrição, professora do Departamento de Nutrição e do Programa de Pós-graduação em Nutrição e pesquisadora do Nuppre (Núcleo de Pesquisa de Nutrição em Produção de Refeições) da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Atua em ensino e pesquisa na área de alimentação coletiva, principalmente com informação nutricional em restaurantes, rotulagem de alimentos e escolhas alimentares saudáveis.

Quais vantagens você vê no modelo de rotulagem frontal elaborado pelo Idec em parceria com a UFPR em relação ao semáforo nutricional, que vem sendo defendido pela indústria de alimentos junto à Anvisa?

Ana Carolina Fernandes: Estudos já demonstram que o modelo de semáforo depende de interpretação do consumidor, demanda mais tempo para compreensão quando comparado ao de alertas e pode confundi-lo quando há combinações diferentes. Por exemplo: três alertas amarelos são melhor ou pior do que um verde, um amarelo e um vermelho?

O que é ainda mais preocupante no modelo da indústria é que a informação é dada por porção, e os parâmetros para definir cada cor do semáforo são baseados em faixas de valores absolutos por porção, não em conteúdo relativo. Por exemplo, qualquer alimento cuja porção seja menor ou igual a 100g e que tenha entre 5g e 13,5 g de açúcar na porção leva a cor amarela. Assim, pode haver alimento com porção de 15g contendo 90% de açúcar (13,5g) e outro com porção de 100g contendo 6% de açúcar (6g), e ambos serão caracterizados como moderados em açúcar. Ainda, o fato de a informação ser dada por porção dificulta a comparação entre alimentos com porções diferentes. Portanto, o modelo parece trazer mais complicações do que avanços.

Já o modelo do Idec traz alertas quando há presença ou excesso de nutrientes e ingredientes associados a prejuízos para a saúde. A informação é simples, clara, direta e não demanda cálculo ou interpretações do consumidor. Os alimentos a serem aplicados e os isentos de aplicação do modelo [in natura e ingredientes culinários], os nutrientes de alerta, bem como os parâmetros para utilizá-los vão ao encontro das recomendações da Opas (Organização Panamericana da Saúde) e do Guia Alimentar para a População Brasileira. O formato foi adaptado de um modelo já vigente no Chile após estudo da área de design da informação em saúde, com melhorias de contraste, forma e resolução, além de outras melhorias propostas para a tabela nutricional e a lista de ingredientes.

Em sua opinião, por que a indústria está defendendo o semáforo agora?

Ana Carolina Fernandes: A informação por porção e os parâmetros com valores fixos possibilitam que porções sejam reduzidas para haver alteração positiva na cor do semáforo. Já há estudos indicando que as porções referência [informadas nos rótulos dos produtos atualmente] são menores do que as consumidas pelos brasileiros e que a utilização de porções menores pode estar ocorrendo para incluir Informações Nutricionais Complementares [expressões positivas como “baixo em calorias”] ou declarar quantidades absolutas menores de nutrientes.

Ademais, o modelo da indústria só prevê informação sobre três nutrientes: gordura saturada, açúcar e sódio. Ao utilizar este modelo, há a possibilidade de redução de açúcar por meio da inclusão ou aumento de adoçante, o que não é desejável, visto que seu consumo tem sido recentemente associado a prejuízos à saúde semelhantes aos atribuídos ao excesso de açúcar, entre outros prejuízos adicionais – não é à toa que a Opas considera a presença de adoçantes em alimentos como um ponto negativo. O modelo proposto pela indústria também não prevê alerta sobre gordura trans, cujo consumo em qualquer quantidade é prejudicial à saúde. Assim, para que o alimento tenha níveis considerados baixos de gordura saturada, pode haver substituição de gordura saturada por gordura trans, que é pior – mas mais barata que outros tipos de gordura.

Quais vantagens você vê nas sugestões de mudança na lista de ingredientes defendidas pelo Idec?

Ana Carolina Fernandes: A lista de ingredientes é a principal informação da rotulagem de alimentos e a proposta do Idec traz mais destaque e legibilidade a ela. As sugestões para a lista de ingredientes facilitam a leitura e a identificação dos ingredientes. A sugestão de agrupar alguns ingredientes – colocar juntos todos os ingredientes fonte de açúcar de adição, por exemplo – facilita a identificação da composição do alimento, visto que a lista é declarada em ordem decrescente da proporção de ingredientes e que a

identificação é dificultada por haver várias fontes de um mesmo nutriente espalhados pela lista com nomenclaturas diferentes. Por exemplo, o açúcar de adição pode aparecer como maltodextrina, sacarose, xarope etc. em posições diferentes na lista.

Além disso, a declaração do número de ingredientes [no topo da lista] facilita a identificação de ultraprocessados, visto que geralmente esses produtos contêm muitos ingredientes, e que o Guia Alimentar recomenda evitar seu consumo.

E como você avalia as mudanças propostas para a tabela nutricional defendida na proposta apresentada pelo Idec?

Ana Carolina Fernandes: Primeiro, a nova proposta de tabela melhora muito a legibilidade. A inclusão da informação sobre açúcares é fundamental, visto que seu consumo em excesso está relacionado a doenças crônicas não transmissíveis e que atualmente não há declaração quantitativa obrigatória. O destaque em amarelo ao açúcar e ao sódio, outro nutriente crítico, direciona o olhar do consumidor às informações mais importantes, além de dialogar com as informações do painel frontal. A sugestão de trazer os valores de nutrientes por embalagem se aproxima mais da quantidade que a população realmente consome. E a inclusão da informação nutricional também por 100g é fundamental para possibilitar ao consumidor fazer comparação entre alimentos.

Você concorda com a proposta de que ingredientes culinários (sal, óleo,açúcar) não recebam os selos, mas levem avisos para consumo com moderação?

Ana Carolina Fernandes: O aviso corrobora a recomendação do Guia Alimentar de utilizar esses ingredientes com moderação. Acredito que seja a estratégia mais adequada, pois não faz sentido utilizar alertas em ingredientes culinários, visto que são utilizados por adição a preparações, não consumidos puros.

Deixe o seu comentário

© 2017 - Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável. Todos os direitos reservados.