Postingan itu didapat dari pendeta bernama Juan Manuel Peramas. Ia sudah melaporkan kalau kaum agen sbobet terpercaya Guarani sudah main memakai bola yang mempunyai materi dasar karet, namun mempunyai berat yang lumayan enteng, alhasil hendak kilat kala ditendang.

Setelah itu bola hendak memantul dengan kilat saat sebelum dapat menyudahi. Guarani pula memainkan agen bola bola bukan memakai tangan mereka semacam yang mereka jalani, namun memakai kaki dalam mereka. Postingan ini merupakan fakta kalau Inggris tidak pencipta game sepakbola.

Ministro da Saúde diz que não foi consultado sobre isenção a refrigerantes

Publicado em 3 de julho de 2019

BRASÍLIA – O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou não ter sido consultado sobre o aumento de benefícios para a indústria de refrigerantes instalada na Zona Franca de Manaus. Ele, porém, foi enfático ao tentar afastar a relação entre a medida e o risco para o aumento da obesidade no País.

 

Luiz Henrique Mandetta

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Foto: Gustavo Lima/Agência Câmara

Para Mandetta, as medidas mais importantes para reverter a tendência são educação e promoção da atividade física. “Se a gente conseguir colocar o sedentarismo e o sobrepeso na agenda pública acredito que a gente vai dar um passo a frente”, afirmou em cerimônia de criação de linha de crédito  para Santas Casas. De acordo com o ministro, não é o aumento de preços, mas a promoção da atividade física que pode, a curto prazo, reverter a tendência de aumento de peso da população brasileira.

Já a consultora da ACT Promoção da Saúde, Bruna Hassan, disse ser inquestionável a relação entre preços mais baixos de bebidas açucaradas com a elevação do consumo e, em consequência, aumento da obesidade. E o oposto também é observado. “Não faltam experiências bem sucedidas de países que, para reduzir a obesidade, aumentaram o preço do produto. O Brasil vai na contra mão”, afirmou. Ela cita os exemplos do México, onde os preços foram elevados em 10%. Dois anos depois de a medida ter sido adotada, os indicadores de obesidade caíram 7,6%. Nos Estados Unidos, segundo ela, há Estados que adotaram medidas semelhantes, com redução do consumo também.

As populações mais vulneráveis ao aumento de preços de refrigerantes, de acordo com a especialista, são as menos privilegiadas economicamente. “Mas há aí um ponto positivo, pois é justamente entre essa faixa da população que estão os mais suscetíveis para doenças crônicas e também os com menor acesso a tratamentos de saúde”, afirmou. Com a redução do consumo de refrigerantes, essa população pode usar recursos para comprar produtos mais saudáveis, como frutas ou outros alimentos naturais e evitar os ultra processados, como os néctares e os refrigerantes.

A secretária executiva da ACT, Paula Johns, observa que metade da população brasileira tem excesso de peso (56,9%, o equivalente a 82 milhões de pessoas). A obesidade, por sua vez, já atinge mais de 20% dos brasileiros acima de 18 anos. “É um papelão, o governo do superministro que se declara pró-mercado livre, promotor da livre concorrência, patrocinar esse tipo de mamata”, criticou.

Entenda

O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto que amplia de 4% para 10% o benefício fiscal em Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) concedido a concentrados de refrigerantes. A nova alíquota valerá de outubro a dezembro deste ano. A decisão consta de decreto publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) e favorece principalmente grandes fabricantes instalados na Zona Franca de Manaus, como a Coca-Cola.

Em maio do ano passado, o ex-presidente Michel Temer praticamente retirou o incentivo ao setor, reduzindo de 20% para 4% o tamanho da devolução feita para as empresas em crédito pelo pagamento de IPI. A redução foi uma das ações adotadas por Temer dentro do pacote caminhoneiro como forma de compensar perdas de arrecadação decorrentes de outras medidas voltadas para a categoria. A medida renderia R$ 740 milhões aos cofres públicos e seria mantida nos anos seguintes. Mas, depois de muitas críticas e reivindicações do setor, Temer editou novo decreto que restabeleceu de 4% para 12% a alíquota do IPI no primeiro semestre de 2019. No segundo semestre, porém, a alíquota cairia para 8% e voltaria a ser de 4% em 2020.

O decreto de Bolsonaro reverte em parte a decisão de Temer. O texto estabelece que essa alíquota será de 8% até 30 de setembro e, depois, de 10% no período de 31 de outubro até 31 de dezembro deste ano. O decreto não fixa alíquota para os próximos anos.

https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,ministro-da-saude-diz-que-nao-foi-consultado-sobre-isencao-a-refrigerantes,70002901626

Deixe o seu comentário

© 2017 - Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável. Todos os direitos reservados.