Postingan itu didapat dari pendeta bernama Juan Manuel Peramas. Ia sudah melaporkan kalau kaum agen sbobet terpercaya Guarani sudah main memakai bola yang mempunyai materi dasar karet, namun mempunyai berat yang lumayan enteng, alhasil hendak kilat kala ditendang.

Setelah itu bola hendak memantul dengan kilat saat sebelum dapat menyudahi. Guarani pula memainkan agen bola bola bukan memakai tangan mereka semacam yang mereka jalani, namun memakai kaki dalam mereka. Postingan ini merupakan fakta kalau Inggris tidak pencipta game sepakbola.

Rotulagem de alimentos em debate: você sabe o que está comendo? – Sul21

Publicado em 13 de novembro de 2017

Link para matéria: https://www.sul21.com.br/jornal/rotulagem-de-alimentos-em-debate-voce-sabe-o-que-esta-comendo/

O aumento da obesidade, do sobrepeso e dos casos de doenças degenerativas vem despertando crescente interesse da população pela qualidade dos alimentos ingeridos no dia-a-dia. Com isso, a rotulagem das embalagens de alimentos passou a ser, cada vez mais, um problema de saúde pública e de disputa política e econômica. Neste momento, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é palco de um acirrado debate entre representantes da indústria da alimentação e de entidades de defesa do consumidor e da área da saúde. O ponto central desse debate é a definição das novas regras de rotulagem de alimentos no país.

O Brasil possui hoje duas normas mais gerais da Anvisa, em vigor há mais de dez anos, que regulamentam a rotulagem de alimentos. Uma trata da rotulagem de modo geral, indicando como devem ser as declarações de origem, quantidade, ingredientes e denominação do produto. A outra norma trata da rotulagem nutricional, que inclui a tabela de nutrientes e informações nutricionais complementares que, normalmente, aparecem em letras minúsculas, quase nunca lidas. Essas duas normas definem a informação obrigatória que deve aparecer na embalagem dos alimentos.

Há ainda outras normas mais específicas como a que define como deve ser a rotulagem de alimentos que podem causar alergia alimentar. Ou ainda a que obriga embalagens de bebidas à base de frutas a declarar qual é o percentual de fruta utilizado. Além dessas normas da Anvisa, há um decreto do Ministério da Justiça que estabelece a rotulagem de transgênicos, atualmente objeto de disputa no Congresso Nacional.

Você sabe o que come?

A Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, uma articulação de entidades e profissionais que atuam na área de segurança alimentar e nutricional, lançou uma campanha intitulada “Você tem o direito de saber o que come”, defendendo rótulos mais claros e restrição de propaganda enganosa, em especial aquelas destinadas ao público infantil. Na avaliação de Ana Paula Bortoletto, nutricionista do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), que integra a Aliança, a atual regulamentação da rotulagem é deficiente e não atende a requisitos básicos para garantir uma alimentação saudável.

Para ela, a atual linguagem da rotulagem é muito técnica, de difícil compreensão e com problemas de visualização. “Se as pessoas conseguem enxergar já é uma vitória. Se conseguirem entender, então, nem se fala. As informações que aparecem nas tabelas de nutrientes são insuficientes para o consumidor conseguir tomar uma decisão, tanto por conta da linguagem quanto por lacunas de informações. Um exemplo disso é a informação sobre a quantidade de açúcar. Normalmente, aparece a informação sobre o percentual de carboidrato total, mas não sobre o de açúcar”, ilustra Ana Paula.

Duas propostas em debate

Entre 2014, a Anvisa iniciou um processo de debate sobre a revisão das normas de rotulagem nutricional no Brasil. Pesquisadores e representantes da sociedade civil foram convidados a participar desse processo para debater os problemas da rotulagem atual e possíveis soluções. No encerramento desta etapa, em 2016, a Anvisa convidou os participantes a enviarem propostas de novas normas para a rotulagem. O Idec, em parceria com pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), apresentou uma proposta, baseada na experiência do Chile, que é um modelo de rotulagem de advertência na parte frontal da embalagem sobre a presença de quantidades em excesso de alguns nutrientes associados a doenças crônicas.

“Estamos falando de açúcar, sódio, gordura total, gordura saturada, gordura trans e adoçantes. Defendemos esse tipo de advertência com base em critérios da Organização Panamericana da Saúde que definiu valores críticos dessas substâncias de acordo com o risco crítico de doenças crônicas”, explica a nutricionista. Países como Uruguai, Argentina e Peru, acrescenta, estão caminhando para adotar um modelo similar ao do Chile.

Há duas questões fundamentais envolvendo a rotulagem nutricional, assinala Ana Paula Bortoletto. Uma delas está relacionada ao modelo de design a ser adotado para a rotulagem. A outra consiste em definir quais são os pontos de corte para definir o que é uma quantidade alta de açúcar, sódio, gordura e outros.

A proposta de advertência do Idec é por meio de um triângulo preto com a borda branca localizado na parte frontal da embalagem. Entre as vantagens desse símbolo, o instituto destacou o fato de ser uma forma que não apresenta perda na percepção em tamanho reduzido, além do triângulo já ser uma convenção de advertência no Brasil. Já a indústria da alimentação defende o modelo de semáforo nutricional, adotado no Reino Unido, que utiliza cores (verde, amarelo e vermelho) para indicar o conteúdo nutricional baixo, médio e alto.

O Idec considera que o modelo de semáforo apresenta vários pontos negativos. “À primeira vista, as pessoas até consideram o uso de cores atrativo, mas se você pedir para elas identificarem o que é saudável terão dificuldade. Ela vai achar mais saudável o que tem dois verdes e dois amarelos ou o que tem três verdes e um vermelho? Essas escolhas não são claras”, aponta Ana Paula. Além disso, acrescenta, a ideia de ponto de corte que a indústria propõe é por porção. O fato de a informação ser dada por porção dificulta a comparação entre alimentos com porções diferentes.

Neste momento, estão sendo debatidas na Anvisa as evidências disponíveis para apoiar a adoção de um modelo ou de outro. Após esse debate, a diretoria colegiada da agência vai abrir esse processo a uma consulta pública, no final deste ano ou início do ano que vem. Encerrada a consulta pública, a diretoria colegiada da Anvisa deve aprovar uma resolução definindo as novas regras.

“Quanto açúcar tem num toddynho?”

No dia 9 de novembro, o Núcleo Interdisciplinar de Prevenção de Doenças Crônicas na Infância, da Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) realizou uma atividade no centro de Porto Alegre para divulgar a campanha “Você tem o direito de saber” e alertar a população sobre a falta de informação nos rótulos de alimentos.

Em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e com as secretarias municipal e estadual de Saúde, professores e nutricionistas da UFRGS distribuíram material de divulgação da campanha e conversaram com a população sobre os riscos que alimentos processados e ultraprocessados podem trazer à saúde.

A médica Noemia Perli Goldraich, coordenadora do Núcleo, destaca que, no atual modelo de rotulagem, a população não consegue saber o que há dentro dele. “As letras são muito pequenas e a linguagem não é clara. Você não encontra a palavra ‘açúcar’, por exemplo. O sal aparece como sódio. Nesta atividade que realizamos na quinta-feira, no centro de Porto Alegre, nós pegamos produtos como um “toddynho” e perguntamos para as pessoas se elas sabiam quanto açúcar tinha ali. Quando lemos o rótulo, não aparece açúcar, só carboidrato. Uma mãe jamais vai saber quanto açúcar tem ali dentro”, diz Noemia Goldraich.

Um grama de sal é igual a 500 miligramas de sódio, acrescenta a médica. “Quem é que vai andar com uma calculadora fazendo essas contas, ainda mais com aquelas letras minúsculas? Não tem como. Esse tipo de rotulagem é uma enganação, ela não diz nada pra ninguém. Por isso defendemos esse modelo dos triângulos, vigente no Chile, que diz claramente ‘muito sal’, ‘muito açúcar’, ‘muita gordura trans’. A indústria está enlouquecida com isso”.

Deixe o seu comentário

© 2017 - Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável. Todos os direitos reservados.