A nova campanha do Instituto Desiderata e do Núcleo do Rio de Janeiro da Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, “Quem quer prevenir a obesidade infantil, levanta a mão”, convida a população do Rio a apoiar a aprovação do PL1662/2019, que propõe medidas para conter o crescimento da obesidade infantil no município do Rio de Janeiro. O projeto, que está em tramitação na Câmara Municipal do Rio de Janeiro e foi aprovado em primeira votação e segue em discussão, prevê a proibição da oferta de ultraprocessados em todas as escolas da cidade, a regulamentação da altura das prateleiras que armazenam esse tipo de produto nos mercados e a criação de salas de coletas de leite materno nas empresas. Acesse aqui o site da campanha e assine a petição favorável à aprovação do projeto de lei. 

O ambiente escolar é o principal foco da proposta, já que as crianças permanecem nas escolas a maior parte do seu dia e costumam fazer ali pelo menos uma refeição, além de receberem muitas das primeiras noções de base alimentar nesses ambientes. 

Obesidade infantil no Rio de Janeiro

No município do Rio, 30,2% das crianças entre 5 e 9 anos atendidas pelo SUS apresentam sobrepeso ou obesidade, segundo o Panorama da Obesidade em Crianças e Adolescentes do Instituto Desiderata.  O consumo de ultraprocessados como bebidas açucaradas como refrigerantes, salgadinhos de pacote, entre outros, é um dos principais responsáveis pelo aumento desses índices.

A obesidade é um importante fator de risco para 3 das 4 principais doenças crônicas, como a hipertensão e o diabetes e pode desencadear outros problemas de saúde ainda na infância e afetar o desenvolvimento, inclusive escolar, de milhares de crianças e adolescentes. Boa parte das pessoas que desenvolvem a obesidade ainda na infância vai manter a condição na vida adulta. 

“A aprovação desse PL no Rio de Janeiro é fundamental para conter o crescimento da obesidade infantil no município. Ao proteger as crianças e adolescentes do acesso aos ultraprocessados, como bebidas açucaradas e biscoitos de pacote, as opções alimentares que essas crianças terão de fazer serão muito melhores, mais saudáveis.  Isso, consequentemente, terá uma importante influência também sobre seus hábitos alimentares futuros”, ressalta a diretora do Instituto Desiderata, Roberta Costa Marques.

A coleta de assinatura para apoio à aprovação da proposta está sendo feita no site da campanha: obesidadeinfantil.org.br. A ação é voltada para chamar a atenção das famílias e da sociedade como um todo para os crescentes números da obesidade entre crianças e adolescentes em idade escola no município do Rio. 

A campanha é apoiada por Umane e Bloomberg Philanthropies, tem criação da Repense e tem como parceiros institucionais ACT Promoção da Saúde, IEPS, ABESO, Criança e Consumo, Alana, GEPPAAS, FIAN, Observatório de Obesidade PEO-ERJ, NUSAM/UNIRIO, NUSAMC/UNIRIO e NESAM/UFRJ.

%d