Oito vídeodocumentários sobre araucárias e o extrativismo do pinhão na região da Serra Catarinense estão disponíveis para todo o público, gratuitamente, no canal do Centro Vianei de Educação Popular no Youtube. A série “Saberes e fazeres do pinhão na Serra Catarinense” é composta por microdocumentários, com cerca de 15 minutos cada um, que valorizam os conhecimentos tradicionais e práticas dos agricultores familiares e dos extrativistas de pinhão e incentivam discussões sobre as práticas de conservação do meio ambiente e salvaguarda do patrimônio imaterial. Além disso, reconhecem o papel de instituições e pesquisadores que desenvolvem ações em prol da sociobiodiversidade deste território. 

A realização do projeto é da ONG Centro Vianei de Educação Popular, e foi viabilizado pelo Edital “Chico de Assis” de premiação de projetos artísticos e culturais do Município de Lages, subsidiado com recursos provenientes do Fundo Nacional de Cultura, conforme Lei Federal n.º 14.017/2020 – Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc.

Confira a lista dos documentários, o link e uma brevíssima sinopse:

Assessoria em agroecologia visando a conservação do pinheiro brasileiro em Sistemas Agroflorestais.

O vídeo apresenta a visão do Centro Vianei e depoimentos de extrativistas, agricultores(as) familiares e gestores públicos sobre a importância do extrativismo sustentável do pinhão articulado com a agroecologia, enfocando a conservação dinâmica da Araucária angustifolia. 

Manejo sustentável do pinheiro brasileiro para conservação da floresta

Depoimentos sobre a importância e a necessidade do manejo sustentável do pinheiro brasileiro em propriedades de agricultura familiar na Serra Catarinense, visando a conservação dinâmica da Araucaria angustifolia e a manutenção do extrativismo sustentável do pinhão. 

Desafios para a manutenção do extrativismo do pinhão na Serra Catarinense

Apresenta a visão de extrativistas proprietários e não proprietários de terra da Serra Catarinense sobre o principal desafio para a manutenção e expansão do extrativismo do pinhão nas próximas décadas. 

O pinhão na cultura alimentar da Serra Catarinense.

Depoimentos de extrativistas, proprietários de restaurante e gestores públicos mostrando seu ponto de vista sobre a valorização e conservação da cultura alimentar tradicional relacionando identidade territorial com soberania e segurança alimentar e nutricional na cadeia produtiva da Araucaria angustifolia.

Os ciclos de uso do pinheiro brasileiro na Serra Catarinense

Histórias de extrativistas, agricultores(as) familiares e gestor público sobre os diversos ciclos de uso do pinheiro brasileiro: produção animal através da criação de suínos ao ar livre, o ciclo madeireiro insustentável e o atual extrativismo sustentável do pinhão associado a agroecologia e ao agroturismo na Serra Catarinense.

Métodos de colheita, processamento e produção do Sistema Agroflorestal para produção de pinhão da Serra Catarinense

Depoimentos de extrativistas proprietários e não proprietários, agricultores(as) familiares sobre os diversos métodos tradicionais de colheita, diferentes formas de processamento/armazenamento, produção e produtividade do pinhão sem sistemas agrícolas tradicionais (SAT) na Serra Catarinense.

A importância socioeconômica e cultural do extrativismo do pinhão na Serra Catarinense

Depoimentos sobre a importância socioeconômica e cultural do extrativismo do pinhão na Serra Catarinense, apresentando aspectos ligados à renda, período de duração da safra, produção, parcerias entre proprietários e não proprietários de terra.

Desafios para a manutenção do extrativismo do pinhão na Serra Catarinense 

Depoimentos de extrativistas e agricultores(as) familiares da Serra Catarinense que articulam trabalhos com extrativismo de pinhão, agroturismo e agroecologia como meio e modo de vida.

Araucárias e extração de pinhão na Serra Catarinense

A exploração da araucária reduziu drasticamente a população dessa espécie. A introdução de espécies exóticas substituiu majoritariamente a exploração comercial madeireira da araucária e produziu mudanças profundas na paisagem da Serra Catarinense. A floresta ombrófila mista original é um dos ecossistemas mais ameaçados da área de domínio da Mata Atlântica, encontrando-se em estado crítico em termos de conservação. 

Hoje, estima-se que os remanescentes ocupem entre 1% e 4% da área original. Seu principal componente, a araucária (Araucaria angustifolia), é a única espécie de seu gênero com ocorrência natural no Brasil. Como consequência da exploração predatória da araucária, associada à destruição significativa do seu habitat, a espécie está entre as ameaçadas de extinção desde, respectivamente, 1992 para o Brasil e 2014 para Santa Catarina. 

Estima-se que 12 mil famílias colhem pinhão na Serra Catarinense, sendo que cerca de 30% têm a atividade como principal fonte de receita. Pode ser considerada a base da agricultura familiar, sendo, em alguns casos, a principal fonte de renda das famílias. A comercialização do pinhão gerou a constituição de uma cadeia produtiva extrativa na Serra Catarinense que contribui na conservação da biodiversidade e no desenvolvimento econômico da agricultura familiar.

%d